domingo, 27 de julho de 2014

A Calçada Portuguesa é um dos simbolos da cidade de Lisboa

Calçada portuguesa na Avenida da Liberdade (1930-1939). Prova em papel de revelação baritado ou sem barita com viragem ( sépia, selénio). Fotógrafo: Eduardo Portugal (1900-1958) - Arquivo Municipal de Lisboa, AML
No mês de Fevereiro de 2014, a Assembleia Municipal de Lisboa, aprovou o Plano de Acessibilidade Pedonal, com o objectivo de facilitar a mobilidade dos peões na cidade. As 100 medidas que integram o plano serão implementadas até 2017. 

Um dos pontos que tem gerado mais controvérsia, é a substituição da calçada portuguesa em algumas zonas da cidade de Lisboa. 
 
Com a finalidade de preservar o pavimento, o blogue Cidadania LX, publicou uma petição “Pela Manutenção da Calçada Portuguesa na Cidade de Lisboa!”.

 
Calçada portuguesa na Rua Barata Salgueiro. Negativo de gelatina e prata e nitrato e celulose.Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

A calçada portuguesa é conhecida como um dos símbolos da cidade de Lisboa. Tal como o nome indica, é originária de Portugal. 

O início do calcetamento das ruas de Lisboa, mais precisamente a Rua Nova dos Mercadores, ficou marcado pela cartas régias assinadas pelo rei D. Manuel I, em 20 de Agosto de 1498 e em 8 de Maio de 1500.


Calçada portuguesa em ziguezague. Castelo de São Jorge, (tropa em formatura) século XX. Negativo de gelatina e prata sobre vidro. Fotógrafo: Paulo Guedes (1886-1947) - AML

A calçada como hoje a conhecemos, com troços de pedra calcária traçando desenhos, nasceu em Lisboa, no ano de 1842.  O trabalho foi executado por reclusos, sob a orientação do Governador Militar do Castelo de São Jorge, o tenente-general Eusébio Pinheiro Furtado. 

O pavimento então realizado, com desenhos em forma de ziguezague, era bastante original para a época. O sucesso deste facto, levou a que o militar fosse encarregado de pavimentar outras áreas da Baixa Pombalina.
 
Calceteiros britando a pedra na Avenida da Liberdade (1907). Negativo de gelatina e prata em vidro. Fotógrafo: Joshua Benoliel (1873-1932) Ilustração Portuguesa, 22 de Abril de 1907, pág. 501- AML

No início do século XX, o magazine semanal "Ilustração Portuguesa" (22 de Abril de 1907, pág. 500), elogiava o trabalho dos calceteiros, desta forma:

(…)Elle representa para nós mais que a obra material de um artífice vulgar, - a arte de dispor as ruas e os passeios da cidade de modo a não prejudicar os pequeninos pés das lisboetas que os pisam.
Dize-me por onde andas dir-te-hei os pés que tens. Há pezinhos minúsculos que parece terem sido feitos para só poisarem em flôres. Não o disse João de Deus?

Ah! não ser eu o mármore que pisas…
Calçava-te de beijos!

(…) Os nossos pés estão assim á mercê de suas excellencias; e parece que suas excellencias têm tão extremo cuidado no seu trabalho que de longes terras os veem procurar a Lisboa, como ainda não há muito aconteceu com o empreiteiro geral das novas avenidas do  Rio de Janeiro, que levou d'aqui um bando dos mais afamados calceteiros.    A mulher de Lisboa calça, de ordinário, muito bem; e não há em todo o paiz, terra que fabrique melhor calçado feminino.(…) Como seriam curiosas, para o estudo do pé alfacinha, as memórias de um calceteiro amável! (...)


Calceteiros assentando a calçada com grossos maços, na praça Dom João da Câmara (1907). Negativo de gelatina e prata em vidro. Fotógrafo: Joshua Benoliel (1873-1932) Ilustração Portuguesa, 22 de Abril de 1907, pág. 502 - AML

Os calceteiros aprendem as técnicas de partir a pedra e calcetar. Com o auxílio do martelo, fazem pequenos acertos na forma da pedra, e, com o ajuda de moldes em madeira, preenchem os espaços com as pedras de diferentes cores, formando os motivos no pavimento.

Moldes auxiliares na demarcação de desenhos e letras - Associação de Exploradores de Calçada à Portuguesa, AECP

Molde em madeira, caravela (1980) - Arquivo do ComJeitoeArte
Calçada portuguesa, a caravela. Armas da cidade de Lisboa. Praça Marquês de Pombal. Negativo de gelatina e prata e nitrato e celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML
Pedra calcária, partida em forma de hexágono, usada na calçada sextavada (1980) - Arquivo do ComJeitoeArte
Pedra calcária usada na calçada sextavada (1980) - Arquivo do ComJeitoeArte
Molde em madeira (1980) - Arquivo do ComJeitoeArte
Molde em madeira (1980) - Arquivo do ComJeitoeArte

A calçada portuguesa converteu-se numa arte que ultrapassou fronteiras, pelo bom gosto dos padrões e frisos ricos em simetrias, pelos desenhos com caravelas, estrelas, peixes, flores, golfinhos, sereias, pássaros… 
A execução perfeita e a resistência do material, foram outros dos factores para o sucesso desta arte. 

Os mestres calceteiros portugueses, são solicitados para o ensino, realização e difusão da calçada além-fronteiras.


 
Estrelas no empedrado do Largo de São Domingos. Calçada portuguesa (1940). Negativo de gelatina e prata sobre nitrato de celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML


Peixes no empedrado da Praça do Comércio (1940). Calçada Portuguesa. Negativo de gelatina e prata e nitrato e celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

Sereia no empedrado da Praça Luís de Camões (1965). Calçada portuguesa. Fotógrafo: Armando Serôdio (1907-1978) - AML

Calçada Portuguesa, base monumento ao Restauradores (1940). Negativo de gelatina e prata e nitrato e celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

Calçada portuguesa na Avenida da Liberdade (1944). Negativo de gelatina e prata sobre nitrato de celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

Calçada portuguesa na cidade de Lisboa (1980). Arquivo do ComJeitoeArte


Calçada portuguesa, cruzetas. Rua de São Pedro de Alcântara (1944). Negativo de gelatina e prata sobre nitrato de celulose. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

Ao longo dos tempos, a calçada portuguesa motivou os escritores, sendo com frequência mencionada na literatura portuguesa. É descrita por Joaquim Azinhal Abelho (1911-1979),  desta forma:

(…)
A imaginária portuguesa estende-se pelas ruas da cidade em desenhos brancos e pretos, feitos de pedra sim, pedra não.
Quadrados, círculos, silvas, alegorias e esquemas, bordam, recortam e sobressaem das faixas e passeios, onde os habitantes dos aglomerados tomam o nome de cidadãos.
(…)

É a voz do povo a exclamar:

Esta rua tem pedrinhas,
Esta rua pedras tem…
Das pedras não quero nada,
Mas da rua quero alguém.
(…)

Mais ainda:

As Pedras da tua rua,
Não sei que têm comigo;
Já andam desconfiadas
Que eu ando de amores contigo.

(…)

O Rossio era um bordado aos ésses – ondas largas e ondas estreitas.
Este desenho foi levado para o Rio de Janeiro, onde os mesmos ésses – ondas largas e ondas estreitas – constituem um motivo que atesta a sua origem lusíada.
Subimos ao Chiado. Artéria de bom tom e da alta roda. A época romântica esquematiza-se nos gráficos em forma de losangos, que muito se parecem com estampas arrendadas.
Na Avenida da Liberdade, as grandes faixas do Passeio Público deram a sequência dos recortes à francesa. Aqui há de tudo. Legendas com frases, alegorias míticas, ornatos geométricos e cantos enramados.
Por todas essas vias o bordado sobressai. Do Terreiro do Paço a “24 de Julho”, do Camões à Estrela, os calceteiros camarários enfeitaram a cidade, fazendo primores com a sua arte, que nos vem de séculos e se mantém viva. Ainda agora, na construção da Praça do Império, em Belém, lá vemos no basalto os signos do Zodíaco com a Esfera Armilar. E, também no parque Eduardo VII a vista se perde e se encanta, nas paralelas pretas e brancas, com incidentes gregos.
(…)
É possível que tal artesanato nos venha em testamento de gregos e romanos. Mas o artesão português individualizou-a, dando-lhe graça e pitoresco próprios, que se institui em caso nacional.
(…)
Anuncia-se que uma nova era vai surgir na arte dos calceteiros. As pedras serão dentro em pouco coloridas? Lisboa vai parecer irisada.
                                                                                                        Abelho (1968: 17-19)
Abelho, Azinhal, 1968, Lisboa num cravo de papel. Lisboa: Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa 

Praça D. Pedro IV - Rossio, panorâmica (2002). Calçada portuguesa com padrão Mar Largo. Diapositivo cromogéneo em acetato de celulose. Autor: Lejona, Andres - AML

Calçada portuguesa na Praça Duque da Terceira - Estação do Cais do Sodré (194-). Prova em papel de revelação baritado ou sem barita. Fotógrafo Amadeu Ferrari (1909-1984) - AML

Calçada portuguesa no início da Avenida da Liberdade (1940-1959). Negativo de gelatina e prata em vidro. Fotógrafo: António Passaporte (1901-1983) - AML

Calçada portuguesa no Largo do Chiado (1953). Ao centro, a estátua do poeta António Ribeiro "O Chiado" (1520?-1591). Escultor: António Augusto da Costa (1862-1930).Negativo de gelatina e prata sobre nitrato de celulose. Fotógrafo: Benoliel, Judah (1890-1968) - AML


 Rosa dos Ventos com o Mapa do Mundo.Calçada portuguesa. Padrão dos Descobrimentos -  Autor: www.GlynLowe.com  - Wikimedia Commons

Jardim Praça do Império. Calçada portuguesa (signos do Zodíaco e a Esfera Armilar) - Fotógrafo: João Dias - Wikimedia Commons

No intuito de possibilitar a preservação de uma arte tradicionalmente lisboeta, a Câmara Municipal de Lisboa pôs em funcionamento a primeira Escola de Calceteiros, no ano de 1986, com instalações na Casa Pia – Secção da Madre de Deus.

A actual Escola de Calceteiros, situada na Quinta Conde dos Arcos, continua a ensinar a arte de calcetar, e a divulgar a calçada portuguesa.

Pavimentação de um passeio na Avenida da Liberdade (1959). Calçada portuguesa. Negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Fotógrafo: Benoliel, Judah (1890-1968) - AML
Desenho do empedrado da Praça Marquês e Pombal (1960). Negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Fotógrafo: Armando Serôdio (1907-1978) - AML
Desenho do empedrado da Praça Marquês e Pombal (1960). Negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Fotógrafo: Armando Serôdio (1907-1978) - AML
Desenho do empedrado da Praça Marquês e Pombal (1960). Negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Fotógrafo: Armando Serôdio (1907-1978) - AML
Desenho do empedrado da Praça Marquês e Pombal (1960). Negativo de gelatina e prata em acetato de celulose. Fotógrafo: Armando Serôdio (1907-1978) - AML

Em Cristalizações, poema de José Joaquim Cesário Verde (1855-1886), o trabalho dos calceteiros também é referido:

Cristalizações

Faz Frio. Mas, depois de uns dias de aguaceiros,
Vibra uma imensa claridade crua.
De cócoras, em linha os calceteiros,
Com lentidão, terrosos e grosseiros,
Calçam de lado a lado a longa rua
(…)
Bom tempo. E os rapagões, morosos, duros, baços,
Cuja coluna nunca se endireita,
Partem penedos; cruzam-se estilhaços,
Pesam enormemente os grossos maços,
Com que outros batem a calçada feita.
(…)                                                     Verde (1968: 84-88)

Verde,José Joaquim Cesário Verde, 1968. Obra Completa, 4ª edição. Universidade de Brasília. 
Dominio publico.

Grupo de calceteiros na Praça Dom João da Câmara (1907). Negativo de gelatina e prata em vidro. Fotógrafo: Joshua Benoliel (1873-1932) Ilustração Portuguesa, 22 de Abril de 1907, pág. 501- AML
Praça dos Restauradores (2005). Autor: Tiseb (Calçada portuguesa com desenho de padrão da autoria de João Abel Manta). Wikimedia Commons
Calçada à portuguesa, com desenho de padrão da autoria do pintor João Abel Manta, na Praça dos Restauradores. (2009) Foto: Gabriele Luvara -  Wikimedia Commons
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cal%C3%A7ada_portuguesa
http://www.aecp.org.pt/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Joaquim_Azinhal_Abelho
http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/
http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Portugal/Interior.aspx?content_id=3694236
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Jardim_Pra%C3%A7a_do_Imp%C3%A9rio_012_(7258597808).jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/File%3AViews_From_The_Sea_Discoveries_Monument_-_Wind_Rose_World_Map_(7537904330).jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/File%3ARestauradores-CCBYSA.jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Passeio_da_Pra%C3%A7a_dos_Restauradores.jpg
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Ribeiro_Chiado
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ces%C3%A1rio_Verde
http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp 


2 comentários:

  1. Bem haja por este roteiro sobre um exclusivo que tão disparatadamente tem sido desrespeitado, pelo menos, a sua falta de respeito revela desconsideração pelo labor árduo dos nossos calceteiros que, com eles, foi possível ter estes testemunhos da nossa cultura que encontra raízes na História bem profundas!

    ResponderEliminar