quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Cesário Verde I A casa de Linda-a-Pastora

José Joaquim Cesário Verde (1855 - 1886) entre 17 e 18 anos (fonte: "PANORAMA", Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Nº 14, Abril de 1943, p. 30.). 

Local de trabalho, na casa de Linda-a-Pastora, onde Cesário Verde compôs muitos dos seus belos versos. A mesa pertenceu a Almeida Garrett. (Fonte: "PANORAMA", Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Nº 14, Abril de 1943, p. 29). 

João Baptista Verde, tio-avô do poeta, e seu irmão António José Verde, avô de Cesário, adquiriram a um padre, em 1797, uma granja no Vale do Jamor, a Quinta de São Domingos, Linda-a-Pastora. A casa de família foi enriquecida com objectos de valor: mobiliário de "boa linhagem"; telas de mestres representando idílicas paisagens; desenhos do pintor António Domingos de Sequeira; livros; manuscritos, retratos e recordações.  

Vista da paisagem na Quinta de São Domingos, Linda-A-Pastora (PANORAMA, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Nº 14, Abril de 1943, p. 32.). 

A quinta de Linda-a-Pastora, beneficiada por ares sadios, foi local de refúgio para a família Verde, quando em Maio de 1856 a cólera invadiu a capital. José Anastácio Verde, pai de Cesário, dando largas ao seu passatempo favorito, desenvolveu na quinta de São Domingos,  a produção agrária, sobretudo frutícola.

A paisagem ampla, pontuada por casario e farto arvoredo, foi fonte de inspiração para Cesário Verde.


Quinta de São Domingos, Linda-a-Pastora (fonte: "PANORAMA", Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Nº 14, Abril de 1943, p. 29.). 

Em Maio de 1861, nasceu Jorge Verde, último membro do agregado familiar.

Em 1919, o incêndio que deflagrou num dos corpos da  casa, consumiu os livros de Cesário, desenhos de António Domingos de Sequeira, numerosas obras bibliográficas e artísticas. O então proprietário Jorge Verde, irmão de Cesário, soube do incêndio, em Paris. 

Nesta cidade, em 1921, traduziu para francês, como Poésies Portugaises, oito dos vinte e dois poemas do irmão (reunidos em O Livro de Cesário Verde, por Silva Pinto, e publicados em 1877), de Antero de Quental, de António Nobre e alguns dele próprio. 


8
Cesário Verde, por Columbano Bordalo Pinheiro. "O Livro de Cesário Verde". Publicado por Silva Pinto, em 1877, com dedicatória a Jorge Verde, irmão de Cesário. Biblioteca Nacional de Portugal.


"O Livro de Cesário Verde". Publicado por Silva Pinto, em 1877, com dedicatória a Jorge Verde, irmão de Cesário. Biblioteca Nacional de Portugal.
Estudos para o livro de Cesário Verde. Técnicas: Lápis de cera, guache, tinta-da-china, tinta estilográfica/castanha/preta, e pastel. Material: papel e cartolina. Autor: Bernardo Marques (1898-1962). Colecção Fundação Calouste Gulbenkian CAM


Casa Cesário Verde, em Linda-a-Pastora, Junta de Freguesia de Queijas (2017)

Casa de Cesário Verde, em Linda-a-Pastora, Município de Oeiras (2017)  


João Baptista Verde, tio-avô de Cesário, travou amizade com António Domingos de Sequeira, quando o pintor visitou a família, a convite de Manuel Baptista Verde, pai de João Baptista e Mariana Benedita Vitória Verde. Em 1809, Sequeira casou com Mariana Benedita da qual teve dois filhos. Enviuvou quando nasceu o segundo filho Domingos, que viria a morrer prematuramente. 

Realizou o retrato da mulher Mariana Benedita e do irmão desta, seu grande amigo, João Baptista, onde se fez representar. O quadro encontra-se no Museu Nacional de Arte Antiga
  

Retrato de Mariana Benedita Vitória Verde e de João Baptista Verde (1809), óleo sobre tela (66,5 x 48,5cm). Autor: António Domingos de Sequeira (1768-1837). O pintor está representado ao fundo à esquerda. Museu Nacional de Arte Antiga. MatrizNet


Fontes:

"PANORAMA", Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Nº 14, Abril de 1943.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ces%C3%A1rio_Verde
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Baptista_Verde
https://sigarra.up.pt/up/en/web_base.gera_pagina?p_pagina=1024015
http://www.jf-queijas.pt/patrimonio.php
http://www.cm-oeiras.pt/Paginas/cmo_homepage.aspx
http://www.bnportugal.pt/
http://www.matriznet.dgpc.pt/MatrizNet/Objectos/ObjectosConsultar.aspx?IdReg=268745
https://gulbenkian.pt/museu/colecao-do-fundador/



Sem comentários:

Enviar um comentário