quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Retratos do pintor Amadeo de Souza-Cardoso

Amadeo de Souza-Cardoso (1887–1918); Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

Amadeo nasceu em Manhufe (freguesia de Mancelos, Amarante no dia 14 de Novembro de 1887), no seio de uma família numerosa (10 filhos) e abastada, que pretendia educar os seus filhos o melhor possível, mandando alguns deles para o estrangeiro, entre eles Amadeo. A pessoa de família que mais o influenciou foi o seu tio Francisco Cardoso que o incentivava nos seus sonhos e projectos.
Foi para Paris em 1906 com 19 anos, juntamente com Francis Smith, tendo como projecto inicial entrar para o curso de Arquitectura (frequentou este curso na Academia de Belas Artes de Lisboa em 1905), que entretanto desistiria para se dedicar ao seu sonho, ser artista plástico. Frequentou academias livres, dedicando-se exclusivamente à pintura. Manteve contacto com alguns pintores que se encontravam em Paris, tais como: Modiglian, Delaunay, Braque, Picasso, Eduardo Viana, Severini, Manuel Bentes e Emmerico Nunes. Amadeo é influenciado pelo Impressionismo e o Expressionismo, permanecendo atento a outras correntes. Expôs trabalhos no Salon des Indépendants, em Paris no ano de 1911. Depois de participar em 1913 numa exposição com oito trabalhos nos Estados Unidos da América,no Armory Show, voltou a Portugal, onde teve a ousadia de realizar duas exposições, respectivamente no Porto e em Lisboa. Nesse ano participou ainda no Herbstsalon da Galeria Der Sturm, em Berlim. Em 1916 decide expor no Porto 114 obras com o título "Abstraccionismo" que foram também expostas em Lisboa, em ambos os casos com novidade e algum escândalo. O cubismo em expansão por toda a Europa, teve influência marcante no seu cubismo analítico. No livro de A.J. Eddy " Cubistas and Post-Impressionism" Amadeo será referenciado como um artista de "sentimento romântico", fascinado pela cor e com um "sentido feérico". O seu quadro "A cozinha de Manhufe", é já uma obra considerada cubista. Nos seus últimos trabalhos experimenta novas formas e técnicas como a colagem e outras formas de expressão plástica. 
Morre prematuramente em Espinho (25 de Outubro de 1918), vítima de "pneumónica".  

 Tristezas, Cabeça, 1915 - Óleo sobre cartão - 37 x38 cm - Museu do Chiado - Lisboa

Retrato de Francisco Cardoso (tio de Amadeo), 1912 - óleo sobre cartão - Museu Municipal Souza Cardoso
A Máscara do olho verde, 1915 - óleo sobre tela

Amadeo encostado a um espelho onde se vê reflectido Emérico Nunes (1888-1968). Paris (França) - Biblioteca de Arte FCG

 Amadeo no seu atelier na Cité Falguière, 14. Paris, 1908-1909. Biblioteca de Arte FCG
Amadeo com boina e bata, 1913 - Biblioteca de Arte FCG


Saiba mais:

2 comentários: