terça-feira, 27 de setembro de 2016

Casa de Bonecas - Queen Mary's Dolls' House






Victória Maria Augusta Louise  Olga Pauline Claudine Agnes (Londres, 26 de Maio de 1867 - Westminster, 24 de Março de 1953), foi rainha consorte do Reino Unido e dos Domínios britânicos e imperatriz consorte da Índia, como a esposa do rei-imperador Jorge V. 


Queen Mary's Dolls' House 

A casa de bonecas da Rainha Mary foi construída entre 1920 e 1924, para a rainha Mary, a esposa do Rei George V. A ideia da construção foi debatida com um dos principais arquitectos da época, Sir Edwin Lutyens.

Foi feita numa escala de 01:12 (uma polegada de um pé), e contém modelos de produtos de empresas bem conhecidas da época. É notável pelos seus detalhes e objectos, muitos dos quais são réplicas de 1/12 de objectos do Castelo de Windsor. 

A Queen Mary's Dolls'House, tem objectos em miniatura que funcionam: existem espingardas que podem mesmo disparar, elevadores e electricidade, água corrente canalizada através de tubos minúsculos... As casas de banho são totalmente canalizadas e equipadas com papel higiénico em miniatura. Os tapetes, cortinas e mobiliário são todos cópias do real, feitos pelas próprias empresas ou por especialista.
Conhecidos escritores escreveram livros para a biblioteca da Queen Mary's Dolls'House, que foram realizados à escala da casa. 

A casa foi originalmente exibida na exposição do Império Britânico, 1924-1925, onde mais de 1,6 milhões de pessoas a visitaram

Está agora em exposição no Castelo de Windsor, em Windsor, Berkshire, Inglaterra, como uma atracção turística.


Fontes:
https://en.wikipedia.org/wiki/Mary_of_Teck
https://en.wikipedia.org/wiki/Queen_Mary%27s_Dolls%27_House
https://www.royalcollection.org.uk/visit/windsorcastle/what-to-see-and-do/queen-marys-dolls-house

Arquitectura anos 40 - Richard Neutra

Casa Bailey - arquitecto Richard Neutra - planta do local


O arquitecto Richard Neutra participou no programa Case Study House, iniciado pela revista Arts & Architecture em 1945 em Los Angeles, com o projecto para a Casa Bailey (1947-1948).

Sala de estar - cadeira de braços de Alvar Aalto, banco de George Nelson.

Esta casa simples e elegante apesar da sua reduzida dimensão, foi construída em vidro, aço e madeira numa planta rectangular com um perfil de pequena  inclinação.  Possuía nas traseiras um jardim, que podia ser observado através de grandes paredes de vidro, que faziam  a ligação visual e espacial com o exterior. 

Exterior visto de oeste
Exterior visto de sul
Os proprietários da casa anteciparam a possibilidade de crescimento e adições futuras; encomendaram posteriormente a R. Neutra a realização de outros espaços, permitindo o aumento de quartos e zonas  de estar.  Uma vez que R. Neutra tinha considerado  desde o início a possibilidade de futuras expansões, os espaços adicionados pareciam estruturais em relação ao projecto inicial.

Vista lateral dos quartos que se abrem para espaços exteriores
Richard Joseph Neutra (8 de abril de 1892, Leopoldstadt, Viena - 16 de abril de 1970) é considerado um dos arquitectos do modernismo mais importantes. 

Trabalhou na Alemanha no estúdio de Erich Mendelsohn. Mudou-se para os Estados Unidos em 1923 e tornou-se um cidadão americano em 1929. Neutra trabalhou algum tempo para Frank Lloyd Wright, depois aceitou um convite de Rudolf Schindler para trabalhar e viver comunitariamente na Califórnia.

Na Califórnia, tornou-se célebre por as suas estruturas geométricas com rigor. Era famoso pela atenção que dava  aos seus clientes com intenção de definir as suas reais necessidades, independentemente do tamanho do projecto. A sua arquitectura doméstica era uma mistura de paisagens, arte e conforto prático.


Casa do arquitecto Richard Joseph Neutra - vista parcial do jardim - Los Angeles, Califórnia
Neutra VDL Studio e Residences, a casa do arquitecto Richard Neutra, está localizada, em Los Angeles, Califórnia.Também é conhecida como a Research Neutra House, ou o Richard Neutra e Dion VDL Research House II.  Foi projectada por Richard Neutra e seu filho Dion Neutra. A casa é actualmente propriedade da Cal Poly Pomona faz parte da Faculdade de Design Ambiental. 

Casa do arquitecto Richard Joseph Neutra
A propriedade foi adicionada ao Registo Nacional de Lugares Históricos em 8 de maio de 2009 e anunciada em listagem apresentada no National Park Service's em 15 de Maio de 2009.

Fontes: 
http://en.wikipedia.org/wiki/Richard_Neutra

http://en.wikipedia.org/wiki/Neutra_VDL_Studio_and_Residences

Smith, Elizabeth (2006), Case StudY Houses. China: TASCHEN.

sábado, 10 de setembro de 2016

Cerâmica figurativa do Norte de Portugal

Artesão Delfim Manuel (Vila Nova de Famalicão). Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)


Na 29ª edição da FIA, em Lisboa, artesãos provenientes de Barcelos, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Vila Real e Guimarães, mostraram o seu enorme talento e criatividade na arte de trabalhar o barro.

Nesta edição, a exposição sobre o tema "Rotas da Cerâmica do Norte de Portugal", teve a participação de ceramistas bem conhecidos como Delfim Manuel, Júlia Côta, Francisco Esteves Lima (Mistério) ou os irmãos Baraça, entre outros.


Artesão Delfim Manuel (Vila Nova de Famalicão). Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)
Artesão Delfim Manuel (Vila Nova de Famalicão). Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)
Artesão Delfim Manuel (Vila Nova de Famalicão)- "Custódia". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)
Artesão Delfim Manuel (Vila Nova de Famalicão)- "Custódia", detalhe. Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesão Francisco Esteves Lima - Mistério (Barcelos) - "Procissão". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesão Eduardo Pias (Barcelos) - "Cristo Vindima". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesã Júlia Côta (Barcelos) - "Diabo, Galo, Pombal". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesã Júlia Côta (Barcelos) - "Pombal". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)
Artesã Júlia Côta (Barcelos) - "Boneca". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesãos Irmãos Baraça - Moisés Gonçalves e Vitor Gonçalves (Barcelos) - "Presépio". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Artesãos Judite Dinis e Nuno Pires (Barcelos) - "Isabelinha" (Feira da Isabelinha). Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)
"ISABELINHA é uma imagem de marca oficial da Feira da Isabelinha, uma actividade pagã das mais importantes do Norte de Portugal. Esta Feira, realizada desde 1907, na segunda-feira de Páscoa, em Viatodos, Barcelos, começou como uma feira franca de gado. O seu nome Isabelinha, surge como homenagem a uma simpática e famosa estalajadeira, que no final do século XIX, início do século XX, acolhia no seu estabelecimento de Viatodos caminhantes, feirantes e outros comerciantes, e que aí ficavam rendidos à art de bem receber. Atualmente na Feira da Isabelinha, que se realiza durante todo o fim de semana da Páscoa, ocorrem diversos eventos desportivos, etnográficos, musicais e culturais, que continuam a ser um ponto de referência
para toda a região.

Símbolos na Isabelinha:
Igreja, milho e uvas: simbolizam Viatodos, estando os dois últimos presentes no seu Brazão.
Traje do Minho: simboliza a origem da Feira e o Festival de folclore que aí se realiza.
Alface: símbolo da origem da Feira como feira agrícola.
Galo: símbolo de Barcelos e da origem da Feira como feira agrícola.
Clave de Sol: simboliza os espectáculos musicais que ocorrem na Feira.
Saia com forma de carrossel: simboliza os divertimentos típicos da feira.
Figuras no carrossel: simbolizam as actividades desportivas que ocorrem na Feira: encontro de motas e bicicletas antigas,corrida de cavalos, paraquedismo, BTT e atletismo.
Design e conceito: 
Judite Dinis e Nuno Pires
Texto por Associação Cultural e Recreativa da Feira da Isabelinha

Artesã Lourdes Ferreira (Maia) - "Peixe com 3 Meninas" e "Menina do Brinco Pérola". Foto "comjeitoearte" (Julho de 2016)

Fontes:
http://www.delfimmanuel.com/
http://www.baraca-artesanato.pt/
http://www.feiradebarcelos.com/artesaos/julia-cota
http://www.artesanato-misterio.com/
http://bloguedelisboa.blogs.sapo.pt/tag/artesanato
https://www.facebook.com/ceramica.criativa/info?tab=page_info
https://plus.google.com/+EduardoeJesusPiasBarcelos

sábado, 27 de agosto de 2016

"A Ordem Natural das Coisas"- António Lobo Antunes I Arte Urbana



A interpretação de um livro (aqui) ou de um excerto literário (aqui) de autores de língua portuguesa, serviu de inspiração a intervenções de arte urbana em vidrões, espalhados pela cidade de Lisboa.

Esta iniciativa promove a união entre a literatura de expressão portuguesa - grupo editorial Leya - e a arte urbana - Galeria de Arte Urbana (GAU) da Câmara Municipal de Lisboa.

Um vidrão localizado na Avenida Almirante Reis, apresenta a interpretação do livro "A Ordem Natural das Coisas", da autoria do psiquiatra e escritor português,  António Lobo Antunes, (Lisboa, 1942).




(...)
 Levanto-me da cama, subo um bocadinho os estores e as luzes de Alcântara prolongam-se até às docas e ao Tejo semeado de canoas, à cata de peixe na babugem. Neste momento da noite, equidistante do poente e da aurora, não há trânsito na praceta e os semáforos mudam do encarnado para o verde comandando sombras. A neblina de março transfigura os edifícios, impregnando-os da majestade que não possuem de dia, e se penso nisso, Iolanda, a mudez do quarto assusta-me de receios que compreendo mal, semelhantes ao medo com que escutei o médico de Mafra, guardando o estetoscópio imenso, esclarecer a desconfiança do cabo:
- É canja, amigo, se não me obedece pifou, como buracos de tiros não há avisa-se o abade da Ericeira e pronto. 
(...)
Antunes, António Lobo, "A Ordem Natural das Coisas" . D. Quixote. (capítulo 1)




Fotos "comjeitoearte", Agosto de 2016


Excerto do livro:
http://glups.leya.com/_media/files/2011/Feb/a_ordem_natural_das_coisas_xhbe.pdf

Fontes: 
http://www.leyaonline.com/pt/livros/literatura/literatura-classica/a-ordem-natural-das-coisas/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Lobo_Antunes

http://www.smart-cities.pt/pt/noticia/literatura-pintada-nas-ruas-de-lisboa-1704/


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Jazz e fotografia

Louis Armstrong (1901-1971), Danny Kaye; Hollywood, 1958. Armstrong, famoso cantor e instrumentalista, nasceu em Nova Orleans. Ficou conhecido como uma das figuras mais carismáticas e inovadoras da história do jazz.


Para celebrar o Dia Mundial da Fotografia, hoje dia 19 de Agosto, lembro o famoso fotógrafo americano William Claxton (1927-2008). 

Conhecido por fotografar músicos de jazz, também fotografou modelos e celebridades.

Na década de 1960, foi o fotógrafo preferido do actor Steve McQueen (1930-1980).

As suas fotografias apareceram em revistas como a Vogue e Paris Match.


Benny Carter (1907-2003) e o seu German Shepherd; Hollywood, 1958. Carter, músico de jazz norte-americano, foi uma das figuras importantes do mundo do jazz nas décadas de 1930 a 1990.

Muddy Waters (1913-1983) ; Newport, 1960. Waters, músico de blues norte-americano, foi considerado o 49º melhor guitarrista de todos os tempos, pela revista Rolling Stone. Foi distinguido com seis prémios Grammy.

Nat King Cole (1919-1965); San Francisco, 1957. King Cole, cantor e músico de jazz norte-americano, foi um artista de sucesso pelas músicas românticas e a sua voz marcante. 
Sarah Vaughan (1924-1990); New York City, 1960. Sarah, cantora estadunidense de jazz, foi distinguida com um Grammy e o Nea Jazz Masters. A sua voz era considerada uma das mais belas do século XX. 
Miles Davis (1926-1991); Hollywood, 1957. Davismúsico de jazz norte-americano, foi considerado um dos mais influentes músicos do século XX. Foi distinguido com nove prémios Grammy, entre outros.
Chet Baker (1929-1988); Hollywood, 1954. Baker, trompetista de jazz norte-americano e cantor, foi apontado como um dos melhores trompetistas do género, logo no seu primeiro álbum.
Ray Charles (1930-2004) e o compositor Marty Paich; Hollywood, 1959. Charles, foi um pianista norte-americano, cantor de jazz e blues. Considerado um dos maiores génios da música negra norte-americana, foi eleito o 2º melhor cantor de todos os tempos pela revista Rolling Stone.


Fontes: 

Jazz, Photos by William Claxton. 1998 Taschen Diary

https://en.wikipedia.org/wiki/William_Claxton_(photographer)
https://pt.wikipedia.org/wiki/Louis_Armstrong
https://pt.wikipedia.org/wiki/Benny_Carter
https://pt.wikipedia.org/wiki/Muddy_Waters
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nat_King_Cole
https://pt.wikipedia.org/wiki/Sarah_Vaughan
https://pt.wikipedia.org/wiki/Miles_Davis
https://pt.wikipedia.org/wiki/Chet_Baker
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ray_Charles


terça-feira, 16 de agosto de 2016

Reciclar latas de alumínio - porta-objectos

1 - Porta-objectos com espelho (Imagem modificada digitalmente)
As latas de alumínio (atum, sardinha, ervilhas, salsichas...) estão presentes no nosso dia-a-dia. Podemos reciclar algumas e adaptá-las a novas utilizações. 

O porta-objectos que vos proponho tem 3 variantes: o primeiro, com espelho; o segundo, com espaço para lembretes; o terceiro, romântico com corações.

Com materiais variados e alguma imaginação, um porta-objectos poderá ser funcional no quarto (organizar maquilhagem), no WC (guardar as escovas, o dentífrico...), no escritório (lugar para elásticos, borrachas, lápis, canetas...) ou noutro local da casa, montado de outra forma.    


Material:

- Latas de alumínio vazias;
- Tampa de alumínio;
- Madeira ou compensado;
- Tinta acrílica;
- Pincéis;
- Argolas para pendurar o porta-objectos.
- Arame fino;
- Alicate;
- Furador eléctrico;
- Brocas para metal e madeira;

- Espelho;
- Cola resistente;
- Papel auto-adesivo transparente.



2 - Latas de alumínio (foto "comjeitoearte")



Passo-a-passo:

1 - Lave e seque as latas. 

2 - Pinte o interior e o exterior das latas com as cores à sua escolha. Depois de secar pinte as riscas ou os corações.

3 - Pinte a base de madeira com a cor escolhida. Depois de secar. Pinte as riscas, o espaço para os lembretes (imagem 5), ou a zona onde vai colar o espelho (imagem 1).

4 - Faça dois furinhos nas latas, com o furador eléctrico (imagem 3). Nas latas redondas os furos devem ser mais próximos um do outro. 














             





3 - Latas com furos


5 - Coloque as latas sobre a madeira de acordo com o esquema prévio. Marque o local dos furos, passando um lápis através deles. Faça os furos na madeira já marcada.

6 - Coloque as latas nos lugares definitivos, fazendo coincidir os furos com os da madeira. Passe um arame por os furos (imagem 3) e junte as pontas no verso da madeira, com o alicate. 

4 - Latas seguras com arame

7 - No verso da madeira coloque as argolas para pendurar o porta-objectos. 

8 - Depois de trabalho concluído, cole o espelho (imagem 1), ou proteja a zona dos lembretes (imagem 5) com papel auto-adesivo transparente, para facilitar a limpeza deste espaço.



5 - Porta-objectos com espaço para lembretes (Imagem modificada digitalmente)

6 - Porta-objectos romântico com corações (Imagem modificada digitalmente)

 
Imagem original. Fonte: Artesanato. Lisa SA. 1981